29 de março de 2017

Móvel com stencil - criação minha


Esta é uma daquelas peças criada com muito amor, muita dedicação e o resultado final não podia ser melhor. Ou podia, mas nenhum filho é perfeito e não é por isso que uma mãe (ou pai) tem menos orgulho nele. Cada obra que sai da oficina da maga é como um filho e este está agora pronto para ser apresentado ao mundo, mesmo ficando um pormenor ainda em stand-by, ou antes, em estudo.  

No antes e depois, dá para ver como o móvel era antes do restauro. Não gosto muito de mobiliário em que são feitas milhentas peças iguais, por isso a minha casa é decorada sobretudo com peças únicas, personalizadas e muitas vezes recorrendo aos usados. Depois de alguma pesquisa no olx à procura da mesa ideal para tv, acabamos por desistir porque nada era a tal, ou então tínhamos que nos deslocar longe para ir buscar. Por sorte, encontramos esta parte de baixo de um armário antigo, numa associação, a Remar. Ficou-nos bem mais barato, mesmo considerando as tintas empregues e bem mais bonita e ainda ajudamos quem precisa, sem aumentar a pegada ecológica (ou pelo menos ao mínimo). É a minha cara.


 Deu algum trabalho, mas quando se faz com gosto, todas as dificuldades são ultrapassáveis.

Vinha com um autocolante no tampo, mas conseguimos arrancá-lo relativamente bem. Sim, plural, porque nisto e a lixar o móvel para retirar as camadas de verniz, tive a ajuda do meu braço direito, o meu mais-que-tudo, aquele que embarca nestas aventuras comigo, o marido. 



Esta lixadeira revelou-se uma óptima compra.

A seguir dei-lhe uma demão de primário e só depois a tinta final na cor branca, à base de água e monocapa. Isolei com fita de pintor à volta das zonas a pintar de azul/cinza. Por sorte encontrei uma tonalidade que adorei, numa tinta muito boa também à base de água e própria para efeitos decorativos. 




Finalmente veio a parte mais interessante, nova para mim e nem sempre com o resultado esperado. Os stencils (será tema de uma próxima publicação). Tive de fazer umas alterações ao plano inicial e mudar os motivos. De um ramo de flores, com demasiados pormenores e difícil de concretizar para mim, iniciante nesta técnica, parti para algo mais simples, números. Mas, não podia faltar uma rosa! Motivo que apliquei em azul nas laterais da gaveta. A única gaveta que deixamos ficar, anulando as outras duas e ganhando assim espaço para as boxes e modens. Esse espaço do móvel está apenas ocupado e decorado provisoriamente.  A frente em azul da gaveta, é o pormenor que está em stand-by. Inicialmente tentei escrever nesse espaço umas palavras mas como não correu suficientemente bem, anulei. Para finalizar a parte da pintura, lixei toda a superfície com uma lixa para madeira de grão 240, desgastando nos cantos e relevos, para dar um aspecto envelhecido. 

















Por último, lixei e limpei os puxadores e fechaduras dando-lhe um ar mais clean. Estavam amarelados e com muito verniz e assim ficaram bem mais bonitos e não foi necessário pintá-los ou trocá-los. 




Da sala da maga,


Um xi- para vocês!

26 de março de 2017

A inspirar-me...


… em tons de azul. 




                                                                   

                                                                                                       Fontes inspiradoras: 
                                                                 casinhacolorida; matilde & co; mobly; mypaintedgarden;                                                                                                           kalinky; Helen Rodel

24 de março de 2017

A Primavera vestiu-se de rendas

Os meninos da creche (ou jardim de infância), saíram à rua para comemorar a Primavera e as árvores do jardim da cidade vestiram-se de rendas e cores à sua passagem. As tecelãs por trás de cada criança fizeram trabalho de casa, ou então foram aos baús buscar os naperãos (ou naperons que é mais chique!) adormecidos e desde Segunda-feira que o jardim está mais colorido. Só hoje de manhã lá fui fotografar, aproveitando a brecha que o sol fez no mau tempo. Valeu a pena a saída, o tempo esteve agradável e deu para fazer algumas fotos. Infelizmente a chuva não tem permitido que os transeuntes apreciem um pouco melhor o jardim em festa, bem como algumas pessoas com “bichos-carpinteiros” nas mãos que vão retirando as peças de croché antes de tempo. Há sempre alguém para estragar, o que é pena. As crianças devem ter ficado felicíssimas e não custa preservar o que elas (com a ajuda de quem tem o importante papel de delas cuidar e lhes ensinar bons valores) fizeram.  


23 de março de 2017

A rua não é só tua



Portugal não é só teu”, uma campanha cívica na tv dos anos 90, com o Herman José, ocorre-me tantas vezes e sempre que vejo alguém deitar lixo para o chão, ter uma atitude menos nobre no trânsito, ou outra qualquer situação semelhante. Mais pessoas deveriam ver.
Ontem apeteceu-me mesmo gritar, de dentro do meu carrito, para uma mulher que passava na rua:

- A rua não é só tua!

Então não é que a dita utente da via pública, andou a fazer do meu carro um cesto de basquete!... Só faltou fazer pontaria ao vidro entreaberto, com a bolinha de papel que enrolou enquanto caminhava e procurava um alvo. Andava mais uns metros e fazia pontaria ao caixote do lixo, mas isso dava muito trabalho.

O lado cómico da situação, foi a sua cara de espanto quando me viu lá dentro. Por momentos ainda pensei que se fosse curvar e apanhar a bolinha de papel e ela deve ter pensado isso mesmo, porque a vi a balançar o corpo indecisa. Refeita da surpresa, lançou-me um olhar arregalado, e pôr-se a andar dali para fora, deixando o objecto da minha indignação no chão. 


ainda há quem critique as ruas sujas. Ou acham elas que o lixo vai sozinho para a lixeira? Ou que a cada esquina tem alguém armado de vassoura sempre pronto a varrer o que a falta de civismo de outros deixa espalhado por aí fora?


Foi só um desabafo. (E à senhora dos olhos arregalados, se por um mero acaso ler isto, eu vi!!

20 de março de 2017

Novo Ano Astrológico, novo ciclo...


O relógio marcava 10 horas e 29 minutos (em Portugal), quando o Sol entrou no signo de Carneiro dando início a um novo ano astrológico e com ele veio a Primavera. A tão desejada Primavera, sinónimo de bom tempo, boas energias, alto astral e flores nos campos. Já vos disse que é a minha estação do ano preferida, não disse?! ;)

Novos ciclos são sempre desejados e este não é excepção. Desde a antiguidade que se celebra o Equinócio da Primavera como representando a fertilidade e o renascimento. Os Celtas realizavam um ritual à deusa Ostara para marcar o início do plantio, tanto físico como espiritual. Decoravam ovos e colhiam flores nos campos, acreditando que estas, sendo colhidas neste dia tinham poderes. Para os gregos, era Perséfone a deusa das flores, das ervas e dos perfumes e a representação da Primavera. Uma vez por ano sobe dos Infernos até à terra, tal como as sementes que germinam e nascem. É a sua mãe Deméter que detém o poder sobre as estações do ano. Para os romanos era Ceres a grande mãe. A mãe natureza.

Hoje o poder da luz começa a ganhar pontos às trevas. Os dias vão ficando maiores que as noites. É sabido que a luz solar tem grande influência na boa disposição e humor. A falta de luminosidade predispõe a uma maior tendência para estados depressivos e cansaço.


Por tudo isto e mais alguma coisa, bem-vinda Primavera!


14 de março de 2017

Projecto em andamento...


Por aqui, o dia pertence às tintas e aos pincéis. Ainda não sei como vai terminar (o projecto), mas sei como gostaria que ficasse. Por agora tudo é branco, tal como uma folha de papel à espera que a criatividade dite os primeiros riscos, de um qualquer desenho, pronto a ganhar vida. Como diz o poeta, “Deus quer, o homem sonha, a obra nasce.” Nos domínios da maga será algo mais parecido com: - Nós queremos, eu sonho e a obra nasce! E irá nascer com certeza, porque cada ser (mesmo que inanimado), é um filho gerado e cuidado com todo o carinho no ventre criativo, até que esteja pronto para ser dado à luz pelas minhas mãos. Pelas nossas mãos. Sim, porque isto de fazer um filho gigante tem que se lhe diga e dá sempre jeito ajuda extra antes que eu lixe tudo.

Por ora, fico em contemplação, mas logo, logo, darei a conhecer o recém-criado e a sua metamorfose.

Da oficina da maga,

10 de março de 2017

Na Terra do Nunca



Este “post” bem que poderia começar com “Era uma vez”, como nos contos de fadas em que há sempre uma bruxa que faz mal às criancinhas que se perdem na floresta, ou se transforma noutra pessoa para enganar jovens ingénuas e de coração puro…


Mas nada disso, é somente para mostrar os mini jardins que ontem estivemos a fazer por aqui. Não é que às vezes isto não pareça a Terra do Peter Pan, mas sem Capitão Gancho. Ou uma Ilha de Avalon, agora sem lago, mas onde eu posso ser uma sacerdotisa de volta dos meus caldeirões mágicos. Ou uma floresta encantada (acho que é mais isso, mas nem sempre com encanto), onde as fadinhas se escondem e só ficam visíveis para quem não perdeu a visão de criança e a capacidade de sonhar. 


No fundo das taças, por baixo da terra, levou umas pedrinhas para que a água não faça apodrecer as raízes.

8 de março de 2017

Para reflectir...



Só para (re)lembrar do porquê de hoje se comemorar o dia da mulher!...


Pode ler aqui ou aqui a “história” real que deu origem a esta comemoração.





Feliz dia para todas as mulheres e boas comemorações!

7 de março de 2017

Dia bom, inspirador...



Hoje foi um dia bom. Daqueles em que só apetece tirar os quilos de roupa de cima (não é que eu seja friorenta) e correr desalmadamente pelo campo fora como se não houvesse amanhã. Ou deitar na relva a observar o azul do céu e a sentir a energia entre o Sol e a mãe Terra. Ficar ali a sentir apenas. A ser.

Mas como não podia fazer uma coisa nem outra, porque o meu pedacinho de verde não dá para tanto, arregacei as mangas, ou melhor, despi-as e aproveitei o dia de sol e calor que fez, para meter mãos (e braços) ao trabalho e começar a pôr em prática as resoluções para este ano (ver aqui). Já não era sem tempo. Já lá vão 65 +1, dos 365 dias que recebemos de oferta na passagem do ano velho para o novo. Há que aproveitar bem os restantes 299. E como eu sou uma mulher de palavra (até mesmo das formuladas só em pensamento), cá estou a realizar as minhas promessas (ou desejos) para este novo ciclo.

Touro (signo) tarda, mas quando começa já não pára. Tem energia para dar e vender. E eu hoje estou assim, imparável a subir e descer escadas, ora com loiças, ora com tecidos ou roupas fora de circulação e revistas. Já tentei ser minimalista, mas comigo não funciona. Em tudo aquilo que outros vêem como imprestável, eu prevejo uma possível obra de arte! :D A lista de espera é enorme, mas com tudo agora concentrado num local só, o tempo vai render mais e a vontade será outra. Estava mesmo a precisar de um espaço meu onde dar vazão à criatividade, em vez de usar o sótão, noutras vezes a sala das roupas, ou a varanda e até, a mesa das refeições.


Haverá cantinho melhor para o efeito e mais inspirador do que a tertúlia?! Penso que não. Cenário que já foi palco de muitas festas e que nada impede de continuar a sê-lo, mas com novos adereços. A casa do fundo com direito a endereço próprio na blogosfera e local de eleição da filha quando voltou às raízes. Filha que logo, logo, terá a sua casa, o seu canto. Não sou pessoa para ficar a sofrer da síndrome do ninho vazio, porque faço por ser positiva e porque os filhos, por muito que os consideremos nossos, em algum momento das suas vidas precisam de ganhar asas. Há que arranjar alternativas e adaptarmo-nos à mudança. É o que farei com a “Casa do Fundo” entretanto mais vazia. Será a oficina da maga todos os dias e às vezes tertúlia em dias de festa, ou nas mornas noites de verão. 


Xi-💜,

da maga                                                                                                     
  


                                                                                                                        Foto via Pinterest

6 de março de 2017

Stencils, porque não?!

Tenho uns projectos de restauração para realizar em breve e ideias muitas, mas de momento, ando obcecada com “stencils” e com vontade de encher a casa toda com este tipo de pinturas. É giro, decorativo e parece relativamente fácil de executar. Digo parece, porque será a minha primeira vez. O mais complicado é conseguir arranjar os moldes certos. Aqui na zona, não existe muita oferta e a que encontrei não me convenceu, pelo que estou a pôr a hipótese de os fazer eu mesma. Veremos. 

Enquanto não passo à prática, vou-me inspirando por aí fora…




E com palavras, ou frases? Adoro!



Para quem não sabe de que técnica se trata, deixo aqui um exemplo…






                                                                                      

                                                                               Fontes inspiradoras: Repurposed Gems; Hometalk; 
                                                                                   Royal Design Studio Stencils; Me & Mrs Jones;
                                                                                             Martha Stewart; Cutting Edge Stencils
 

4 de março de 2017

A minha arlequina

A minha Harley Quinn, Drama Queen, coração de ouro, talentosa de muitas artes, plásticas, cénicas, representativas e sei lá mais o quê, mas sem noção do seu potencial. Nos bastidores, ou em frente a uma câmara muito haveria a dizer, ou a desenvolver. No entanto, é todo um mundo de talvez e de Se´s, mas quando as possibilidades estão fora de mão geograficamente e quando não se acredita nas próprias capacidades, os sonhos tornam-se inalcançáveis e existem desencontros com as oportunidades.

É a minha Helena de Tróia!


1 de março de 2017

Boas vindas a Março


Bem-vindo mês de Março!
Trazes contigo o vislumbre de dias maiores e mais ensolarados. Trazes a promessa de tempos menos gélidos e sombrios. É ainda com alguma timidez que os dias cinza ganham outras cores e tonalidades, mas o Olimpo já se prepara para engalanar os campos e jardins acima do Equador. É tempo de mudança.

Não é por acaso que em alguns países, como é o caso da Roménia, Moldávia e Bulgária, se celebra hoje a Primavera. Um pouco por todo o lado sucedem-se os festivais para receber a nova estação, dar as boas vindas ao Sol, afastar os maus espíritos, ou simplesmente para pedir e desejar boa sorte e felicidade. Oferecem-se pulseiras feitas com fios nas cores branca e vermelha, aos amigos e familiares, para que estes tenham saúde, felicidade, prosperidade e fertilidade. Diz a tradição que a devem manter atada ao pulso (ou peça de roupa), até que avistem a primeira cegonha (símbolo da chegada da Primavera), e só então se tira e se ata num ramo de árvore. É uma forma de fusão com a natureza e de lhe desejar a saúde que se pede para si mesmo. Achei muito bonito e fiquei até com vontade de iniciar também por aqui um festival da Primavera e de fazer pulseiras coloridas para oferecer.  J

Março representa o fim e um novo começo. Tem em si o último signo do Zodíaco (Peixes) e o primeiro de todos, que é Carneiro. É uma espécie de Ano Novo Zodiacal.

Hoje é um bom dia para se dar início a novos projectos ou então para determinar metas para o novo ciclo!





A martenitsa, nome que se dá ao amuleto, inicialmente era feito com dois bonecos, um branco e outro em vermelho, simbolizando o feminino e o masculino. Também se fazem no formato de pompons. 


                                                                         Imagens: Visão Contacto e Pinterest