17 de fevereiro de 2017

Trapalhadas de um "Peixes" distraído, ou a peúga envergonhada...


Hoje, já em cima da hora, deixo o peixe no forno, o esparregado de couve lombarda na panela, tomo um banho relâmpago, visto-me enquanto o diabo esfrega um olho…E o capeta fez asneira! Quem manda deixá-lo no comando da situação?! A meio da aula de pilates, enquanto estou com um olho na professora e outro na ponta dos pés, reparo naquela enorme cratera que teimava em alargar horizontes ao mesmo tempo que eu procurava manter-me em equilíbrio e a ela escondida. Por azar (e distracção), agarrei precisamente nas meias a que ainda ontem tinha dado ordem de despejo. É sabido que pressa e perfeição são dois “P´s” que não combinam.

O que me vale, é ter o planeta regente do Ascendente, Júpiter, no signo de Gémeos e na casa III, para me dar a capacidade de rir de mim mesma (e ainda o espalhar a sete ventos!) Ups. Isto não era para ser dito!...


Lua em Escorpião



Quem tem a Lua em Escorpião que ponha o dedo no ar! ;)

Pois, é lá que a Lua se encontra de momento. Como não demora mais que dois dias a atravessar cada signo, este posicionamento não passa de uma passagem, que ocorre a cada mês.

É sabido que este não é dos posicionamentos astrológicos mais “bonzinhos”. Conhecem aquela velha expressão de “estar com a pulga atrás da orelha”? É a Lua no signo de Escorpião. Mas não pensem que esta Lua é só ciúme, possessividade, desconfiança e mais um rol de desgraças. Ela é também uma Lua muito poderosa. Intensa. Intuitiva. Uma observadora nata de tudo o que a rodeia e quando gosta, envolve-se a 100% nas relações. Quando quer muito algo, vai fundo e a sua força emocional transforma-a em força física.

Mas atenção! Que não lhe queira meter água na fervura, porque quando entra em ebulição é como uma panela de pressão. Vai fervendo no interior e atinge tal intensidade que é capaz de queimar tudo e todos, mesmo que à superfície aparente frieza. Por isso, o melhor, é deixar esfriar antes que lhe salte a tampa.

Para quem tem este posicionamento astrológico, não são poucas as vezes ao longo da vida, que vem a arrepender-se das atitudes mais intempestivas, das cenas de ciúmes, das atitudes possessivas, mas as quais tem dificuldade em evitar, tal é a intensidade com que as vive.

Não é fácil controlar este seu lado negativo, mas a consciência deste facto é meio caminho andado para aprender a lidar com isso e canalizar essas emoções para direcções mais positivas. 



                                                                  Foto: Leica Oskar Barnack Award

14 de fevereiro de 2017

Cartas de amor, quem as não tem?!...

Via Pinterest


“Cartas de amor
Quem as não tem
Cartas de amor
Pedaços de dor
Sentidas de alguém
Cartas de amor, andorinhas
Que num vai e vem, levam bem
Saudades minhas
Cartas de amor, quem as não tem.”
- Tony de Matos

Hoje em dia é mais sms’s (até os e-mail’s estão fora de moda), ou demonstrações públicas no facebook, mas tudo é válido para mostrar o que vai na alma e no coração. Mas convenhamos, que uma carta em papel tem o seu quê de romântico. E não é tão efémero, tão de uso imediato. Pena que caiu tão em desuso.

Cartas de amor, quem as não tem?!

Juras de amor eternizadas numa folha de papel amarelado e guardadas para além da memória, para além dos tempos. 


Feliz dia dos namorados, hoje e sempre!


12 de fevereiro de 2017

Ideias para o vão da escada...


Gosto de idealizar espaços. De imaginar cenários decorativos. De inventar possibilidades. Desta vez é a nossa sala de estar que merece todo o protagonismo. Já era tempo dela sofrer uma reforma, de torná-la mais acolhedora. Os poucos metros quadrados estão limitados pela disposição do lugar, mas como a imaginação não tem limites, tudo é possível. E cria-se e recria-se e troca-se a disposição dos móveis e muda-se a tv e no final teremos a nossa sala de cinema. Não fossem os meus raros momentos televisivos, e dir-se-ia que sou grande fã da dita caixinha. Um filme ou outro de tempos a tempos, vá lá. Sofá, há mais de dois anos que não o uso. O meu lugar de eleição são as cadeiras, porque as minhas cruzes não se dão em assentos que se afundam. 

E com todas estas mudanças, ficou a sobrar um cantinho. O vão da escada.

Desenhei-o no meu imaginário como uma pequena biblioteca, um espaço encurtado por uma parede falsa e muitas prateleiras e nichos brancos cheios de livros. O genrinho mais novo sugeriu que fizesse ali o meu cantinho da leitura (sem biblioteca e sem paredes falsas), aproveitando o cadeirão já existente. Gostei da ideia, mas ainda está tudo em aberto. Talvez nasça ali um espaço de leitura sim, mas com um pequeno recanto para livros incorporado.



Enquanto se pensa e não se faz, vou-me inspirando por aí fora, na blogosfera. E é com cada cantinho mais lindo!




Bicicleta não no ar, mas no chão. Até que tenho uma, é só restaurá-la e dar-lhe uma cara nova com arte. Ou fazer dela um suporte para qualquer coisa. 





Ou uma despensa para guardar aquelas coisas que gostamos de ter perto da zona de entretenimento, mas sem que estejam à vista. Umas mantinhas, jogos, lápis de cor, papéis, os comandos para a Milka não os roer…E mais uma infinidade de objectos que se vão acumulando por muito que digamos que no próximo ano vamos optar pelo minimalismo.  




                                                                                  

                                                                                         Fotos inspiradoras: Artezanal, Atribuna,                                                                                           Blogdecoracao, The11best, Limaonagua,  Neville                                                                                      Johnson, Habitissimo, Decorfacil, Fashionismo.

30 de janeiro de 2017

Nós somos o que comemos


Hoje dei por mim a fazer umas pesquisas na Internet sobre alimentação macrobiótica e a quase desistir ainda antes de iniciar esta prática alimentar. Bem sei que a Internet é um local onde encontramos de tudo, mas nem sempre as informações são fiáveis, no entanto, há que começar por algum lado. Eu sou adepta de uma alimentação variada, mas sem excessos e sem radicalismos. É certo que aqui em casa consome-se cada vez menos produtos de origem animal, sobretudo carne, mas estamos longe de ser vegetarianos. Não vou entrar aqui no campo de “ser vegetariana para não comer outros seres vivos animais”, porque esse é assunto que dá pano para mangas e não pretendo fazer deste pequeno texto uma “briga cibernética” e sim escrever sobre a minha realidade.

E a minha realidade e dos que habitam comigo, é que, procuramos (ou temos o ideal de) fazer uma alimentação saudável, e aqui entra a palavra “equilibrada”, mas ao mesmo tempo respeitando a natureza, dentro do possível. Sei que esta equação não é fácil, sem gerar algum desequilíbrio para algum dos lados.

Há uns tempos, quando fiz o segundo nível de reiki, o almoço foi-nos servido e confeccionado por uma senhora que estuda (ou estudou) alimentação macrobiótica e achei deveras tudo muito interessante. Tanto o que nos foi dado a saborear, como toda a explicação que nos deu sobre a confecção dos alimentos. Enquanto degustávamos a sopa de miso, a salada de grão acompanhada de umas deliciosas cenouras cozidas com algas, uns pickles em vinagrete que já não me recordo do nome e mais uma variedade de outras coisas, e para finalizar, a cereja em cima do bolo na forma de uma sobremesa de chocolate, ou café, à escolha, íamos ouvindo a descrição do que estávamos a ingerir e algumas dicas sobre macrobiótica. Mas, mais marcante ainda, era o amor visível que a senhora punha em cada palavra e em cada gesto. Fiquei com vontade de saber mais. Sei que quando temos certos hábitos adquiridos e quando o novo requer muito trabalho, acabamos muitas vezes a adiar, a empurrar com a barriga para um qualquer dia lá mais à frente. A macrobiótica não era propriamente uma coisa totalmente desconhecida para mim, à data, porque há muitos anos, num curto período de tempo em que trabalhei em Lisboa, descobri lá na baixa um supermercado com produtos do género, onde cheguei a comprar um pequeno livro de receitas e um protector solar à base de cenoura, mas fiquei-me por aí. Infelizmente, aqui na zona a oferta é muito limitada e muitas vezes quase desconhecida.

Resumindo, alimentação macrobiótica não é o mesmo que vegetariana, embora se dê preferência a alimentos vegetais e a finalidade é prolongar a vida com saúde, tendo em conta o equilíbrio de energias dos alimentos. Tal como escrevi lá em cima, não sou de extremos, pelo que não me estou a ver a comer só arroz integral, considerado o expoente máximo em termos de equilíbrio energético. Brincadeira à parte, alimentação é um assunto tão vasto, mas como somos o que comemos, vou continuar a procurar saber mais e aos poucos ir introduzindo algumas alterações na cozinha da maga.


                                                                                    Imagem: nutrimedic


28 de janeiro de 2017

Marte em Carneiro


O planeta Marte entrou hoje no seu signo de regência, em Carneiro ele está em casa. Ali ele é Rei e senhor e tudo o que passa por aqueles 30 graus de signo, precisa do seu aval. Usando as palavras do escritor, tudo o que por ali passa, leva um pouco de Marte e Carneiro e deixa um pouco de si. Em astrologia, nada permanece sempre igual, tudo está em permanente mudança. Nos próximos 39 dias sensivelmente, temos a influência de um planeta Marte mais assertivo e que empresta aos nossos mapas astrológicos uma maior dose de energia. Como cada mapa é único (a menos que se tenha nascido no mesmo local e hora exacta de outra pessoa), a influência da passagem do planeta por esta zona zodiacal pode ser diferente para cada um de nós. A isto chama-se de Trânsitos Astrológicos!
                                                                                                           
À medida que ele vai progredindo pelo signo, pode ir tocando alguns planetas (ou outros pontos) que se encontram nos nossos mapas de nascimento, e despoletando ou influenciando determinados acontecimentos nas nossas vidas.

Uma vez que Marte em Carneiro age de forma mais natural e com a sua energia mais pura, estão beneficiados aqueles que tenham planetas pessoais ou ascendente, nos signos de Fogo (Leão e Sagitário), ou de Ar (Gémeos e Aquário). Em Balança (que também pertence ao elemento Ar), nem por isso, uma vez que se trata de uma oposição.


Para quem anda a querer pôr a actividade física em dia e o corpo em forma, vamos lá aproveitar o empurrão de Marte para ganhar balanço!


                                                                                         Imagem via Pinterest

24 de janeiro de 2017

Para reflectir...



“Ser feliz é deixar de ser vítima dos problemas e se tornar um autor da própria história. É saber falar de si mesmo. É não ter medo dos próprios sentimentos.”


- Fernando Pessoa -

                                                                                                                       
                                                                                                                   Imagem via Pinterest