29 de abril de 2015

A minha Helena de Tróia!


Hoje com direito a pequeno-almoço especial servido no quarto, pois, que isto de acordar às 6h da manhã em dia de aniversário não se faz!


Quiseram os deuses que eu trouxesse no ventre, pela segunda vez, uma menina e como apaixonada que sou por mitologia, fui-lhes buscar os nomes ao Olimpo. A linda e encantadora bebé tornou-se numa belíssima mulher, para fazer jus ao nome, Helena. A minha Helena de Troia!

É nome de princesa e reza a história que se tratava mesmo da mulher mais bela do mundo. Era tal a sua beleza que acabou por prender muitos corações e despertar a inveja das outras deusas.
Filha de Zeus e de Leda. Foi casada com Menelau, rei de Esparta, mas devido ao feitiço de Afrodite acabou por se apaixonar por Páris e fugir com ele para Troia (ou será que foi raptada? As versões são várias…).
Hera, Atena e Afrodite perguntaram ao príncipe troiano Páris qual a mais bela das três. Após cada uma das deusas ter tentado influenciar a sua decisão, Páris atribuiu a maçã de ouro a Afrodite, que lhe havia prometido o amor da mulher mais formosa do mundo.” E assim começou a guerra de 10 anos entre a Grécia e Troia (é claro, que na realidade esta guerra se deveu a interesses económicos!).

E não é que a minha filhota é mesmo a Princesa de Troia?
Por coincidência ou não, a zona onde moramos pertence ao bairro de Troia. Isto eu só soube mais tarde…

Lendas à parte, hoje é um dia muito especial, faz anos que tive nos braços pela primeira vez, a minha filha mais nova, luz da minha vida, ser do meu ser. Foram 21 anos de muito amor, intensos, por vezes sofridos, mas coração de mãe é grande o suficiente para aparar todas as lágrimas, para dar colo e embalar até despertar um sorriso…

Filha, a partir de agora, és definitivamente maior de idade!  (mas sempre a minha menina!) ;)




20 de abril de 2015

Taurus e o Olimpo


Hoje fui presenteada com um bonito dia de sol, em fundo azul celeste para combinar. Assim, sim! Já vale a pena dizer que é primavera. É o bom tempo a dar as boas vindas a Touro, o signo zodiacal onde se encontra hoje o astro rei. Com carneiro iniciamos a estação primaveril preparando a terra, mas touro fá-la florir. É Deméter ao serviço e no cuidado dos campos, tornando-os férteis e cobrindo-os de flores. E Perséfone, vinda das profundezas da terra, dança descalça, enfeitada e perfumada com as mais belas flores e suaves essências, que a sua mãe num acto de amor salpicou por todo o lado.

Não é em vão que a Touro se associam palavras, como amor e beleza. Tem como planeta regente, Vénus, aquele mais luminoso que se vê no céu, em alguns dias ao anoitecer ou amanhecer. É um planeta, mas poderia ser uma deusa do Olimpo, nascida dentro de uma concha de madrepérola e gerada pelas espumas do mar, também ela de coroa de flores na cabeça, símbolo da Primavera!


Flores associadas a Touro: rosa, papoila, dedaleira, margarida, primavera, violeta, lírio do campo.

Cores associadas ao signo: Rosa, verde e em geral as cores pastel e tons terra. 

16 de abril de 2015

Eu, a cobaia!

Ontem à noite a sala de estar foi palco improvisado de salão de cabeleireira, e a minha longa cabeleira habituada ao mínimo dos tratamentos possíveis, viu-se alvo de todas as atenções por parte da minha-doce-aprendiz-das-artes-dos-cabelos-e-de-outros-embelezamentos. 

Com o tempo fui ficando alérgica à tesoura das cabeleireiras e há mais de três anos que dou eu mesma o desbasto necessário, para que não me torne numa versão morena da Rapunzel. Cá para os meus lados é uma profissão que não lucra muito. É lavar, usar o creme amaciador, desembaraçar os fios e tirar o excesso de água com uma toalha. De vez em quando (publicidade à parte), uso um creme da Garnier para dar forma aos caracóis. Sim, o meu cabelo não é liso e mal ou bem lá o vou cortando à “navalha” para dar o escadeado. Ah, e como Saturno não perdoa, de tempos em tempos lá vão vendo um pouco de tinta. Secador nem vê-lo!

Ontem foi excepção. “Tadinha” da minha cabeleireira privada, que até de joelhos trabalhou! Esticou, secou, e quanto mais esticava mais ele se aproximava do chão. E eu bem instalada a fazer zapping” pelos blogs dos outros!





9 de abril de 2015

O grande Júpiter em movimento directo…


Um planeta que passa de retrogrado a directo é como um carro que ia em marcha atrás e o seu condutor pára e mete a mudança mas ainda assim continua no mesmo sítio. Enquanto não acelerar, ele vai manter-se assim, imóvel. Já não está a andar para trás, mas também não ganhou impulso para a frente. Astrologicamente falando, a esta fase da marcha dos planetas, diz-se que está estacionário.

É assim que Júpiter se encontra desde há dois dias para cá. Inverteu o sentido de marcha, pôs a mudança, mas só agora pisou no pedal acelerador. Só hoje começou a acelerar, ainda que bem devagar.

Quando um planeta se encontra no seu movimento retrógrado, tudo o que aquele mesmo planeta significa num mapa astrológico fica dificultado. O seu desempenho é inferior e está mais sujeito a mudanças bruscas. Passam a existir demoras na realização e até mesmo mudanças ou cancelamento de planos.

Júpiter encontra-se no exuberante signo de Leão, e agora que passou a directo e como grande benéfico que é, os projectos afectados por este posicionamento planetário, terão grande possibilidade de se realizarem de forma muito positiva. O ambiente geral torna-se mais optimista e entusiasta.

Para quem tem planetas pessoais, ascendente ou Meio do Céu em Leão a partir do grau 12, esta passagem de Júpiter pelo signo em movimento directo, pode desencadear uma série de oportunidades a vários níveis, dependendo daquilo que é tocado. Bem assim como em Balança, Sagitário, Gémeos ou Carneiro. Júpiter mantém-se em Leão até Agosto, por isso ainda teremos uns meses para usufruir das suas boas energias expansivas.


Ps. Um planeta diz-se retrogrado (ou a andar para trás), mas trata-se simplesmente de um movimento aparente, visto da Terra e tem a ver com o próprio movimento desta em torno do Sol.



                                                                                                                                 Imagem via Pinterest

3 de abril de 2015

Sexta-feira Santa!

A tradição já não é o que era! (isto faz-me lembrar um anuncio de tv… ) Em tempos, eram chamados de meios dias santos, a tarde de Quinta a partir do meio dia até Sexta à mesma hora e assim sendo o feriado não era um, mas sim duas metades de dia. Claro que isto não dava jeito nenhum e alguém se lembrou de concentrar tudo num dia só, na Sexta-feira e assim fica-se com um fim-de-semana prolongado. É que uma tarde de trabalho ali pelo meio não caía nada bem!

Nas aldeias, isto para os mais religiosos, nesses meios-dias não se fazia nada. Não se mexia na terra, não se caiava (há umas décadas atrás nem todos tinham posses para comprar tinta e a cal era a mais vulgar e divulgada forma de tornar as paredes bem alvas). Na Quinta de manhã as mulheres cortavam a erva para alimentar os animais, faziam a comida (sem carne) e de tarde limitavam-se a ficar sentadas para não mexerem uma palha e assim não ofenderem os costumes cristãos.

Diziam os mais velhos que um dia, pelos meios-dias santos, alguém ao caiar a parede da sua casa, esta começou a escorrer sangue…o sangue de Jesus! E todos os crentes e tementes que se prezassem, respeitavam isto e outros costumes. Religião ou crendices?!


(Memórias aqui da maga quando ainda gaiata e já muito curiosa pelos hábitos e costumes.)



Imagem daqui e daqui