25 de junho de 2016

Amuleto de Protecção
















Há quem apanhe a espiga e a guarde o ano inteiro para dar sorte. Eu faço o meu próprio ramo de protecção que penduro à entrada de casa e ali fica até o ano seguinte. Hoje foi tempo de dar cara nova ao meu amuleto e de desfazer o antigo e lança-lo ao vento para se misturar com as plantas do quintal. Os corações, símbolo do amor que impera aqui na casa, vão-se mantendo de ano para ano, de ramo para ramo. Estão cheios de arroz para trazer prosperidade e de alfazema, pelo perfume e pelo seu significado espiritual. A alfazema tem a função de trazer a harmonia e a tranquilidade ao lar. Já o louro e o alecrim, têm o poder de afastar as más energias e atrair as boas. O alecrim é considerado uma planta mágica contra o mau-olhado. É um óptimo purificador energético do lar. O louro é uma planta nobre e muito usada na Grécia e Roma antigas para coroar os vencedores nos jogos olímpicos. Simboliza a vitória que queremos para as nossas vidas e feitos e juntamente com o alecrim, mantem a negatividade bem longe da nossa porta. Para completar, uma fitinha vermelha, está claro! Vermelho é força, é paixão, é o sangue a pulsar nas nossas veias. Também ela é símbolo de prosperidade e de protecção. 









Por sorte, este ano o nosso loureiro está com bagas o que dá um toque ainda mais especial ao meu amuleto!



20 de junho de 2016

Uma Lua Cheia para comemorar o início do Verão






Hoje somos brindados com uma bonita Lua cheia para comemorar o Solstício de verão e a entrada do Sol no signo de Caranguejo. O auge da Lua cheia de luz deu-se cerca do meio-dia (hora de Portugal), muito embora o Sol a essa hora a remetesse para longe da nossa vista. Já o Solstício irá ocorrer à noite, por volta das 23h35. Quem nascer durante o dia de hoje ainda será de signo solar Gémeos e só os nascidos depois daquela hora pertencerão a Caranguejo. O dia 21 de Junho é considerado o primeiro dia do verão, mas hoje, tecnicamente já será verão, mesmo que só por uns míseros 20 minutitos! J

Dizem os mais supersticiosos que este é um dia muito especial, porque a ultima vez que estas duas situações ocorreram em simultâneo, foi há quase meio século e diz a astrologia que é um momento favorável para dar a conhecer algum evento que se queira muito visível (não esquecer que amanhã também conta!) Uma Lua cheia encontra-se no máximo do seu brilho e força, pelo que se entende que seja esta a fase mais propícia a se ser notado e a ganhar popularidade. Isto conta para todas as Luas cheias do ano, muito embora, o Verão seja sempre uma época de maior expansão.
 

Daqui a pouco não se esqueçam de assistir ao pôr-do-sol e se não se lembrarem, também não faz mal, têm uma noite inteira para olhar para a Lua, lá redonda no alto!

Imagens via Pinterest e Google (desconheço os autores para lhes dar os devidos créditos)






13 de junho de 2016

Almofada com "vivo" improvisado...







Esta almofada ainda tem as memórias de uns dias passados em Coimbra e entre a visita à família, uma bela de uma massagem total, as paisagens vistas de um comboio inter-cidades, houve tempo para me perder no mundo dos tecidos. Trouxe comigo vários e este, enquanto esperava pela sua vez de ganhar forma, foi repousando na prateleira das 1001 coisas para fazer. Ontem finalmente ficou pronta e teve direito a um cantinho especial no meu quarto. 


Depois de alguma procura nas lojas da zona, cheguei à conclusão que não havia nada que me agradasse o suficiente para fazer o acabamento à volta da almofada e lhe dar um toque especial. E como criatividade é coisa que não falta aqui por estes lados, improvisei um "vivo" com um resto de tecido de cetim amarelo e trapilho que também já tinha, para fazer o enchimento.





Não usei moldes e simplesmente cortei o tecido em 3 partes. Uma quadrada para a frente e duas mais estreitas, mas que no fim de levar um fecho e juntar uma à outra, ficam com o tamanho do quadrado frontal. Esta abertura é muito útil para poder lavá-la sem ter que andar a coser e descoser para tirar o enchimento.



Para o enchimento, fiz uma segunda almofada com uma flanela que havia na minha reserva de tecidos e já com uns bons anitos...Enchi com esponja (ou espuma) em flocos (mas podia ser outra coisa qualquer ao gosto de cada um) e para finalizar cosi a abertura na máquina, uma vez que precisa de muito menos lavagens que o exterior.




Digam lá se não ficou bem catita?!