22 de outubro de 2016

"Velharias"


Do velho se faz novo, é o lema aqui de casa. Há quem deite fora achando que não passam de trastes velhos que só ocupam espaço. Há quem aproveite e se deleite a dar-lhes uma cara nova e um lugar de destaque. Eu enquadro-me neste segundo grupo. Mais do que objectos sujos e gastos, são objectos com alma. Utensílios que outrora eram considerados vulgares ou dentro do estilo da época e tiveram o seu tempo de uso nas mãos de alguém, foram posteriormente postos de parte por se tornarem inúteis e substituíveis. Enferrujados, lascados e cobertos por uma fina camada de pó, repousam muitas vezes anos e anos a fio (por vezes décadas), num canto escuro qualquer, quase sempre longe dos olhares. Poderia até ser o descanso merecido, mas, como velhos nem os trapos, eu gosto de lhes dar vida.

Diz-se que amar é olhar ambos na mesma direcção, e sendo assim, amor aqui é que não falta, porque com a minha cara-metade, olhamos ambos para as mesmas coisas com o mesmo olhar. E o vintage (ou será retro?) vai ganhando espaço e vida aqui em casa.


Hoje, da visita a um simpático e generoso casal, veio a carrinha cheia. Uma bicicleta bem antiga e velhinha para a qual já prevejo um belo futuro e mais umas peças que na hora de fotografar já se encontravam na “oficina” e não posaram para a foto. Agora, todas esperam a sua vez para serem limpas, lixadas, pintadas e tudo o mais que for necessário, mas sem lhes retirar a identidade.



Da oficina da maga, um xi- desempoeirado!



2 comentários:

  1. Que belos achados! Quero ver como vão ficar!
    Beijinho

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Fernanda, quando os vi a serem carregados para a nossa carrinha, foi isso mesmo que pensei! Que belos achados! :D
      Para já, estão em lista de espera :), mas vou publicar sim, quando estiverem com outra cara! ;)
      Beijinhos

      Eliminar